Monstra Festival

Júri

Competições MONSTRA 2021

Júri

Competição de Longas Metragens
Competição Curtas Metragens
Competição SPA - Vasco Granja
Competição Curtas de Estudantes
Competição Curtas de Estudantes | Júri Júnior
Competição Curtíssimas
Competição Monstrinha
Competição de Longas Metragens
Anca Damian

Anca Damian estudou Cinematografia na Academia de Teatro e Cinema, onde também fez o doutoramento em Artes, Cinema e Media. Depois de terminar os estudos, trabalhou como realizadora, argumentista e produtora em vários documentários relacionados com as artes, e também como diretora de fotografia em duas longas-metragens. Em 2012, lançou Crulic – O Caminho para o Além, que teve bastante sucesso. O filme ganhou mais de 35 prémios internacionais, entre eles o Cristal de longa-metragem em Annecy. Entre outros dos seus filmes encontra-se A Very Unsettled Summer (2013), A Montanha Mágica (2015), Moon Hotel Kabul (2018) e A Chamada (2018), que viajaram por todo o globo, passaram por vários festivais, e ganharam muitos prémios. Anca Damian foi também a primeira a receber o Prémio Eurimages’ Audentia, em 2016.

António José Martins

Licenciado em Cinema (especialização em Produção), na Escola Superior de Teatro e Cinema, em 2001, é desde Março de 1990 Programador de Cinema na RTP (nomeadamente RTP2 e RTP Memória). Nos anos 80 do século passado trabalhou como técnico de cinema (Assistente de Produção, Chefe de Produção e Assistente de Realização em vários filmes e telefilmes) e realizou vários documentários para tv.  Em 1995 realizou “100 Anos De Cinema” exibido ao longo das emissões da TV2, “Inova” (2000, 17’), e “O QUE DinIS MACHADO” (2001). Em 1985 e 1986 publica o trabalho de investigação “Alguns Aspectos da Actividade Cinematográfica: A Exibição (1942/1984) e a Produção” (190 pp.) financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Karin Vandenrydt

Depois de trabalhar em várias produtoras de cinema nos anos 90, Vandenrydt juntou-se à Folioscope, organizadora do ANIMA – Festival de Cinema de Animação de Bruxelas, um dos festivais europeus de animação mais importantes em 2000. Karin desenvolveu o setor flamenco do festival e pertence ao comité de seleção e à equipa de programação. Desde o verão de 2020 é com Dominique Seutin, co-directora do festival.  Tem vindo a ser convidada para júri ou comités de seleção em vários festivais internacionais. Pertence à Comissão Classificadora de Filmes Flamengos. Pertenceu à Comissão de Filmes Flamengos até 2020 e lecionou História da Animação e Animação Contemporânea na LUCA – Escola de Artes em Genk, Bélgica.

Pablo Pico

Pablo Pico é um compositor e músico francês  conhecido pelas suas bandas sonoras. Compôs várias bandas sonoras para filmes de animação incluindo Adama, realizado por Simon Rouby e nomeado para o prémio César de Melhor Filme de Animação, e para o filme A Fantástica Viagem de Marona, de Anca Damian. Pablo Pico já gravou com artistas como Alexandre Tharaud, Oxmo Puccino, Arthur H, Isabel Sörling ou Luzmilla Carpio, e é frequentemente premiado pelas suas contribuições musicais para curtas-metragens, longas ou documentários. Em 2020, ganhou o Prémio de Melhor Banda Sonora na MONSTRA –  Festival de Animação de Lisboa e foi nomeado para os Prémios Lumière 2021.

 

Vasco Sá

Vasco Sá nasceu no Porto em 1979. De raízes transmontanas, passa os seus primeiros dezoito anos em Trás-os-Montes, mudando-se então para o Porto, onde se licencia em Som e Imagem pela Escola das Artes da UCP. Neste contexto conhece David Doutel, com quem tem partilhado vários projectos no Cinema de Animação, nomeadamente a realização das curtas-metragens O Sapateiro (2011, PT/ES), Fuligem (2014, PT), Agouro (2018, PT/FR) – distinguidas a nível nacional e internacional – e Garrano (PT/LTU), em fase de produção.Para além deste percurso no âmbito da realização, colabora com a produtora Bando à Parte desde 2011, onde tem integrado a equipa de diversos projectos cinematográficos de diferentes autorias, tanto na vertente artística como na de direcção de produção. Em 2018 torna-se membro fundador da Cooperativa BAP, onde exerce funções de realização e produção com David Doutel. Gosta de ver os montes à sua frente.

 

 

Competição Curtas Metragens
Arturo Cardelús

Arturo Cardelús é um compositor hispano-americano radicado em Los Angeles. Umas das suas bandas sonoras mais recentes, “Buñuel no Labirinto das Tartarugas” ganhou a Melhor Banda Sonora no Festival Annecy e foi nomeada ao Prémio Goya, o prémio IFMCA e ao Prémio Hollywood Music in Media. A sua música é conhecida pelas partituras evocativas e melodias memoráveis que combinam a sua formação clássica com a sua herança hispânica, apresentando melodias tocadas por violões, incorporando o Tango e outros géneros hispânicos. Umas das suas peças mais conhecidas, Con Aire de Tango, foi encomendada pelos Solistas da Filarmónica de Berlim e lançada pela editora clássica NAXOS juntamente com outras suas peças de música de câmara. A sua contribuição ao mundo da música foi reconhecida quando foi eleito membro da Royal Academy of Music em 2016.

Abi Feijó

Abi Feijó nasce em Braga em 1956. Licenciado em Arte Gráfica e Design pelas Belas Artes do Porto. Em 1984 frequenta um estágio no NFB do Canada, onde realiza o primeiro filme Oh que Calma De regresso ao Porto funda a Filmógrafo (1987). Em 2000 cria a Casa da Animação, um centro cultural dedicado ao Cinema de Animação e em 2002 a Ciclope Filmes, uma nova produtora responsável pela História Trágica com Final Feliz de Regina Pessoa. Como Realizador, explora diversas técnicas da animação: Os Salteadores (93), Fado Lusitano (95), e Clandestino (00) são os seus principais filmes. Exerce ainda funções de produtor e de conselheiro artístico, orienta vários estágios e acções de formação um pouco por todo o mundo, sobretudo em ateliers com crianças. Foi professor na Universidade Católica e na ESAP. Desempenhou ainda as funções de Presidente da ASIFA (00-02) e de Vice Presidente do ASIFA Workshop Group (95-01)

Lia Bertels

Lia Bertels é de Bruxelas e realizadora de cinema de animação. Depois de um estágio em Ilustração na St.Martin School em Londres, Lia decidiu prosseguir Animação na escola La Cambre (ENSAV) em Bruxelas, onde rapidamente encontrou a sua própria expressão – um estilo pessoal, sensível e contemplativo influenciado pela suas observações da humanidade.  Realizou filmes como “Tiny Big”, “Nuit Chérie” e “And Yet we’re not super heroes” escolhidos para vários festivais e vencedores de prestigiados prémios. Além disso, Lia realiza ainda videoclipes para música. Está atualmente a trabalhar numa longa-metragem,“Ogresse”, com a cantora Cécile McLorin Salvant.

Sandra Varatojo Amor

Sandra Varatojo Amor, licenciada em marketing e com formação profissional em design, desenvolveu a sua atividade profissional nas áreas criativas de multimédia e marketing.

Tem uma experiência de 20 anos em gestão de marcas, comunicação integrada e soluções de marketing, com especial foco no target infantil, segmento a que se dedicou enquanto gestora de marca ZIG ZAG. Atualmente integra a equipa de desenvolvimento de conteúdos infantis da RTP.

Soetkin Verstegen

Soetkin Verstegen é uma cineasta e animadora independente de Bruxelas, na Bélgica. Os seus filmes Mr Sand (2016) e Freeze frame (2019) viajaram por um sem número de festivais e receberam prémios de júri em Clermont-Ferrand, Ann Arbor, Annecy, Fantoche e no Animafest em Zagreb. Participou ainda na Akademie Schloss Solitude, na Alemanha, na residência Saari, na Finlândia, na ZHdK’s artists-in-labs, na Suíça, e na AniDox:Residency, na Dinamarca. Para além do seu trabalho pessoal, faz também trabalho como freelancer como animadora stop-motion para o estúdio belga Beast Animation. Verstegen tem também bastante experiência como formadora em workshops de animação e de momento leciona na Luca School of Arts, em Bruxelas. 

Competição SPA - Vasco Granja
Joan Gratz

Joan Gratz é uma realizadora de curtas-metragens de animação e spots comerciais premiada com um Oscar. O conteúdo dos seus filmes é variado e vai desde expressões pictóricas de poesia, à abstração improvisada e ao documentário social animado. 

Foi pioneira na técnica de “Claypainting”. Trabalha diretamente à frente da câmera, aplicando pedaços de barro, misturando cores e desenhando finas linhas para criar um fluxo perfeito de imagens. “Mona Lisa Descending a Staircase”, uma história da arte animada, ganhou o Óscar em 1992.

Otto Alder

Otto Alder tem trabalhado como curador de programação, como jurado, e em comités de seleção em vários festivais. Começou por organizar o Festival Internacional de Animação de Estugarda (de 1987 a 91) e mais tarde foi diretor do programa de animação do Festival de Leipzig (1992 – 2005). Foi co-fundador e co-diretor do Festival Fantoche (1994 – 2004). Dirigiu ainda o programa de Animação no Black Night Film Festival em Tallinn (1999-2002) e no Animation Festival Tough Eye em Turku (2001-2003). Em 2009 foi eleito Presidente Honorário do Festival de Animação de Ottawa. 

Fundador e diretor artístico da International Animation Academy em 2009,  em 2011 Alder tornou-se membro da Swiss Film Academy e da APSA (Asia Pacific Screen Academy, Brisbane).

Para além de criar os seus próprios filmes, fotografia e instalações artísticas, de 2002 a 2019 lecionou História da Imagem em Movimento e História da Animação no Departamento de Animação da Universidade de Artes e Ciências Aplicadas de Lucerne, do qual foi co-director de 2004 a 2010. É membro da ASIFA (foi diretor de conselho de 1993 a 1998).

Regina Pessoa

Regina Pessoa nasceu em Coimbra e licenciou-se em Pintura pela Faculdade de Belas Artes do Porto. Em 1992 começou a trabalhar em animação como animadora nos filmes “Os Salteadores”, “Fado Lusitano” e “Clandestino” todos de Abi Feijó. Em 1996 começa a realizar os seus próprios filmes de animação: “A Noite” (1999), “História Trágica com Final Feliz” (2005), “Kali o Pequeno Vampiro” (2012) e “Tio Tomás a Contabilidade dos Dias” (2019), com os quais obtém um grande reconhecimento e ganha inúmeros prémios nos principais festivais e eventos mundiais, tornando-se uma referência incontornável da Animação Portuguesa e reconhecida recentemente no Top 3 dos melhores realizadores mundiais dos últimos 25 anos (Animac’2021). Três dos seus filmes fazem parte da lista de filmes do Plano Nacional de Cinema, e são estudados por crianças e jovens das escolas Portuguesas. Em 2016 torna-se “Senior Lecturer” na escola de Animação Alemã FILMAKADEMIE e em 2018 é convidada para ser membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.

Competição Curtas de Estudantes
Assia Kovanova

Nasceu em Sofia, formou-se na National Academy Of Theatre And Film Arts com um M.A. em realização de animação e especialização em Cinematografia de Filme e Televisão. Dirigiu uma série de palestras em design de animação na Varna Free University, na Bulgária. É ilustradora e designer de vários livros e revistas, assim como membro da International Animated Film Association (ASIFA)  e da Union of Bulgarian Film Makers (UBF). Desde 2011 é a diretora artística e a gerente de design do World Festival of Animated Film em Varna. 

Realizou os filmes de animação The Gardener’s Weed (em produção), Paper Kite (2019), Love with Occasional Showers (2016), The Piano Player (2012), Mente (2001), Genesis (2003), Extazy (2003) e Concentration (1999).

David Doutel

Nascido em 1983 na cidade do Porto, David Doutel licenciou-se em Som e Imagem pela Universidade Católica do Porto com especialização em Animação. Desenvolveu o seu percurso no cinema de animação de autor, trabalhando como realizador, animador e produtor. Parte integrante de equipas artísticas e de produção, contribuiu para a criação de inúmeras curtas de animação premiadas e selecionadas regularmente em festivais internacionais de cinema.

Colabora desde o início do seu percurso com Vasco Sá, com quem partilhou a realização de 3 curtas-metragens de animação: O Sapateiro (2011), Fuligem (2014) e Agouro (2018). Está neste momento a corealizar a curta Garrano, em coprodução com a Lituânia. É um dos fundadores da cooperativa BAP – Animation Studios, onde trabalha como produtor e realizador.

Isabelle Cracco

Isabelle (Isa) estudou cinema de Animação na KASK HoGent (Master Audiovisuele kunsten) e ensina cinema de animação na Academie voor Beeldende Kunst Gent desde 1994. Trabalha desde 1989 para a Fundação Raoul Servais fazendo workshops de animação (W.a.f!) para crianças de todas as idades na Bélgica e no estrangeiro (membro da AWG e da ASIFA). Colaborou nos cenários e na coloração de dois filmes de Servais, “Taxandria” (1994) e “Papillon de nuit” (1997), e em 2003 trabalhou na animação em stop motion da série ‘Hocus Pocus’ de Brigitte Minne para o canal belga Ketnet. Terminou a sua curta “Gloria”, e está já a planear a próxima, desta vez sobre a emoção Felicidade. 

Competição Curtas de Estudantes | Júri Júnior
Carolina Ramos

Carolina Ramos nasceu em 2004, no estado do Rio Grande do Sul, Brasil e vive em Portugal desde 2017. É aluna da Escola Secundária de Camões, no curso de Línguas e Humanidades. Na escola, participa, desde 2019, na Oficina de Cinema Filhos de Lumiére, no projeto Erasmus Edu4U e é membro da Associação de Estudantes.

Mafalda Figueiras

Tenho 18 anos e sou da Amadora, Lisboa, Portugal. Desde pequena, gostei sempre de brincar com amigos imaginários e fazer histórias com eles.  Mais tarde, comecei a desenhá-los e criar quadradinhos. Quando soube que programas de desenhos animados foram criados por pessoas e não deuses de televisão, a minha vida mudou completamente. Agora, estudo animação para dar vida às minhas ideias e aos mundos que tenho desenhados em  pedaços de papel. Não só para mim, mas para todas as pessoas que compartilham a mesma  paixão por animação. 

Pedro Paiva

Nascido em 2000, em Almada, frequenta o 12° ano do Curso Profissional de Técnico de Multimédia, na EBS Francisco Simões, em Almada. Tem organizado e participado em diversas exposições coletivas, salientando-se a exposição “Sexta-feira: Os Binóculos Do Futuro” que esteve patente no mês de Junho, na Oficina de Cultura de Almada, e contou com a participação da coreógrafa Cláudia Dias e do músico João Miguel Fonseca. Tem também participado na organização de diversos eventos culturais e na criação de variados objetos gráficos, fotográficos e de videoarte.

Competição Curtíssimas
Alexandre Siqueira

Nasceu no Rio de Janeiro em 1980. Em 1988 muda-se para Portugal com a sua família. Durante a sua adolescência dedicou-se à música e às artes plásticas, participando em vários concursos de  pintura e exposições.  Em 1996 vai estudar para a Escola Soares dos Reis, no curso de Imagem e Comunicação.  Em 2000, co-realiza “Sopa Fria”, no âmbito do curso de cinema de animação de volumes no CITEN/ Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. No mesmo ano começa a trabalhar no Porto, no estúdio  Filmógrafo.  

Em 2008, Alexandre vai para a escola La Poudrière, em França, para se especializar em realização de  filmes de animação. A sua curta-metragem de estudante intitulada “Viagem ao Campo de Girassóis” é bem  acolhida em diversos festivais internacionais. Desde então, Alexandre tem desenvolvido e colaborado em  diversos projetos de curtas e longas-metragens, séries de animação e videoclips. “Purpleboy” é a sua mais  recente curta-metragem de animação.

Frank Poncelet

Descendente direto de Ambiorix, príncipe dos Eburões que derrotaram César em 57 AC, Frank é também um artista/realizador/Produtor independente formado na “De Academie for beeldende kunst Gent”. Depois do seu filme de licenciatura, “A Night On Gor”, trabalhou um ano num mashup de animação, “Bug’s Club”, inspirado no “Hell’s Club” de Antonio Maria Da Silva AMDSFILMS. Em 2017/2018 Frank produziu a sua curta “Alpha”e está agora a trabalhar em video art usando técnicas de Neural Style Transfer, e a produzir a sequela de Alpha, “The Voyage Home”. 

Otto Guerra

Otto Guerra estudou Filosofia mas formou-se em Multimédia. Em 1977 trabalhou na agência do argentino Felix Follonier, fazendo animação para publicidade. Aos 22 anos fundou sua produtora, a Otto Desenhos Animados, uma das pioneiras em animação no Brasil e a única que tem seu conteúdo destinado quase exclusivamente ao público adulto. A sua primeira curta foi O Natal do Burrinho, em 1984. Em 1995, Guerra lançou o longa Rocky & Hudson – Os Caubóis Gays, baseado nas tiras de Adão Iturrusgarai. Em 2006, lançou Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’Roll, a primeira longa-metragem de animação brasileira a receber do Ministério da Justiça o selo “Proibido para menores de 18 anos”. Em 2013,  Otto Guerra lançou Até que a Sbórnia nos Separe, baseado no duo musical Tangos e Tragédias. É um dos cinco brasileiros citados no livro Animation Now, publicado pela editora alemã Taschen.

Competição Monstrinha
Acácio Carreira

Nascido em abril de 1955. Formação na Escola Superior de Educação pela Arte (Conservatório Nacional). Com formação em cinema documental, em Portugal e em Paris/França pela Associação VARAN (Jean Rouch), passou ainda pela FBAL (Escultura). Foi leitor do Instituto Camões em Moçambique, Nampula, na formação de professores do primeiro ciclo. Fez parte das Equipas de Intervenção Artística (ME / DREL). Realizou vários documentários em vídeos para o ME na Educação de Adultos, para a SEC no Departamento de Audiovisuais e para outras diversas entidades não estatais. Trabalha há dezasseis anos como professor bibliotecário em diversos agrupamentos de escolas, como animador de livros no fomento da leitura e escrita, em estreita ligação às diversas artes. É divulgador e programador de cinema infanto juvenil nas escolas.

Pedro Basílio

Pedro Basílio é natural de Lisboa e trocou a capital pelas Caldas da Rainha à procura de melhor qualidade de vida. É técnico do Serviço Educativo do Município de Óbidos, onde co-criou e orienta o Óbidos Anima, um projecto criado em 2011 para  promover o Cinema de Animação junto das escolas do concelho. Desenvolve ainda oficinas de animação para grupos distintos e também em diferentes eventos. Dinamiza na escola o Atelier Criativo, um espaço de múltiplas linguagens que permite aos alunos criarem os seus próprios projectos e ideias. Desde 2015 que leva as crianças de Óbidos à Monstrinha, e em 2019 levou a Monstrinha até Óbidos. Com formação em Comunicação Audiovisual na Escola António Arroio, é um apaixonado por fotografia e música.

Vanessa Caeiro

Licenciada em Artes Plásticas e Fotografia pela FBAUL,  realiza exposições coletivas e individuais fora e dentro de Portugal desde 1998.  Inicia-se em Animação em 2008 como animadora, ilustradora, concept de personagens e layouts, artes finais e edição, que continua a exercer. Participa em curtas metragens de autor, séries infantis para a televisão Portuguesa e Espanhola, spots publicitários e institucionais, cenografia visual para peças de teatro e espetáculos.  Em 2010 é Assistente convidada na ESAD.  Em 2013 começa a trabalhar para a televisão e em 2017 a coordenar a equipa de Motion Graphics do grupo Cofina.  Em 2019 volta a tempo inteiro para a  Animação. Apaixonada pelo livro e pela ilustração, é autora de vários livros.